teorias da comunicação

texto + áudio

Minha relação com o audiovisual é muito presente desde a infância, a comunicação me fascina e me faz me sentir vivo. O prazer que um artista tem ao fazer uma pintura em um quadro, é o mesmo prazer que tenho quando planejo uma ideia e a executo. Ainda no ensino fundamental me destacava nas apresentações de seminários e descobri ali a minha paixão pela comunicação.

Aprendi com facilidade a editar imagens, vídeos e áudios, e a universidade tem expandido cada vez mais minhas capacidades.

A matéria de Teorias da comunicação me fez abrir os olhos para a responsabilidade desse meio, a Escola de Frankfurt me fez entender o quão importante a interdisciplinaridade é, através dela conseguimos resultados mais assertivos, trazendo assim clareza e profundidade dos estudos, não se limitando a simples questionários, mas buscando em outros conhecimentos a raiz da informação.

elifas brito

Eu sempre estive conectado com tudo que tem a ver com a internet, minha mãe trabalhava num escritório e as vezes eu ia trabalhar com ela e ficava no computador, aprendi mexer com 7 anos no computador e na época ainda era a internet discada, desde lá nunca mais me desconectei e comecei a entrar nesse mundo.

Também sempre adorei TV, o Glamour que a TV demonstrava e sempre tive curiosidade de saber o que tinha nos bastidores, como é feito isso e eu tinha vontade de estar lá fazendo acontecer.

Ai quando descobri o Youtube e quando chegou na era dos Canais do YouTube vi que alguns lembravam meus programas de TV favoritos ou tinham uma essência deles, me deu mais vontade ainda de me encaixar nesse mundo.

Por isso de acordo com a Teoria das Influências Seletivas, retrata-se sobre a influência dos meios de comunicação, pois a audiência é respondia de formas diversas , pois a comunicação pode alterar atitudes, crenças, sentimentos e vontades, que hoje é a linguagem mais utilizada no segmento Internet e é aonde o mercado atual se constrói.

vitor r. mafra

júlio oliveira

A minha paixão por rádio começou na infância, quando a minha mãe ouvia rádio todos os dias pela manhã e eu ficava encantado com aquelas vozes e músicas saindo daquele aparelho.

Aos 8 anos tinha o sonho definido: trabalhar no rádio.

Desde então, ouço rádio diariamente. Foi o rádio, aliás, o motivo de eu ter me mudado de Minas para São Paulo em 2015. Somente aqui teria a oportunidade de estudar rádio e encontrar o meu espaço no meio.

Após a mudança, ouvindo as rádios da capital, passei a perceber com mais clareza a segmentação de público das emissoras e aí me deparei com a Teoria da Persuasão.

Quando se transmite uma mensagem, ela nao atinge todas as pessoas.

Pode até atingir muitas pessoas, mas só vai entender e se relacionar com ela quem se identificar com o que está sendo transmitido.

Uma pessoa é persuadida por uma mensagem, mas por outra não. E isso está relacionado a fatores como personalidade, nível de cultura, escolaridade, e etc.

É justamente o que diz a Teoria da Persuasão: é preciso entender as diferenças individuais nos efeitos obtidos pelos meios de comunicação.

jailson batista

Minha relação com a TV começou a partir dos meus 14 anos de idade, comecei a ter um sentimento, uma visão e uma vontade de ser Operador de áudio, sempre assistindo e admirando os programas de televisão. Em algumas festas por onde passei passava a mexer em mesas de som, desde então meus pais se mudaram da comunidade para a cidade de Barueri e com isso passei a colaborar ao Studio de uma igreja a qual meus pais são obreiros. E passei a analisar e aprender as outras funções deste curso, além de só mesa de som e percebi que é realmente o aprendizado e o caminho profissional e cultural que eu quero para minha vida, sempre pesquisando e procurando saber mais e mais sobre a área. E com a teoria de disfunção narcotizante consigo controlar toda a minha saúde mental através desse aprendizado.

ualaci alves

A participação das mídias na minha vida começou desde adolescente, quando assistia tv um dos meus programas favoritos era pânico na Bande , logo mais foi gostando de outro meio de comunicação que foi a rádio me apaixonei logo de cara.
sempre falava para mim mesmo que queria aprender o que se faz por traz da câmera em relação a rádio eu gostava da parte de locução, produzir e criar era oque eu queria fazer.
Acabei me relacionando com outro meio dentro da comunicação que é a fotografia, aprendi bastante dentro desse meio.
Conhecer a faculdade que hoje curso e ter informações que antes não tinha e isso transformou minha maneira de ver as informações.
Na teoria critica abordagem teórica que, contrapondo-se à teoria tradicional, de matriz cartesiana, busca unir teoria e prática, ou seja, incorporar ao pensamento tradicional dos filósofos uma tensão com o presente.
No meu caso unir o sonho a prática trazer todo conhecimento obtido na faculdade e realizar meu sonho de criança de tornar-se um locutor ou produzir e criar.

kauê g. correa

Os meios de comunicação foram fundamentais para a evolução da sociedade e, esses meios nos acompanham há séculos, eles são responsáveis por transmitir e mostrar as grandes civilizações todo tipo de acontecimento, tanto em gênero de informação quanto de entreterimento.
Os veículos de massas são inerentes a comunidade, por meio deles adquirimos conhecimentos que por sua vez estão em constante mutação.
Me identifico com um dos conceitos criados a partir da linha de pensamento teórico sobre a disfunção narcotizante, pois em todos os momentos estamos sendo bombardeados por informações e acabamos não tomando atitudes que deviríamos tomar e, assim acabamos sendo passivos vivendo em constante alienação feita pela mídia.
Concluímos que a mídia exerce um importante papel que é, informar e definir os temas que serão discutidos, expor ideias e formar opiniões.

vanessa de oliveira

A minha relação com a área de Rádio e TV, veio bem tarde para falar a verdade! Parece uma disfunção narcótica pois era tanta informação das demais áreas, que me trazia dúvidas e eu não sabia no final das contas o que eu queria de verdade.
Aos 18 anos me apaixonei por dança pois ouvia uma música e desenhava na cabeça os movimentos dessa arte, já aos 22 anos achava que jornalismo seria a área da minha vida e apaixonei por fotografia também. Aos 24 anos ainda, indecisa, desenvolvi a paixão por imagens, ou seja novamente escutava uma música, assistia um programa de TV e etc... já batia aquela inspiração, vinha uma idéia.
Como o curso de Jornalismo faz parte do campo de Comunicação Social, por quê não Rádio e TV? Pois se é possível casar os lados das artes e a representatividade, dei meu ponta a pé inicial aos 31 anos, foi quando decidi entrar pra faculdade e descobri a área da minha vida!

IRIS RODRIGUES

Minha relação com a rádio vem de criança, aos 10 anos para 11 anos, minha mãe começou a trabalhar em uma rádio comunitária. No início minha mãe não sabia como fazer e foi então que meu pai começou a fazer uma programação, a qual minha mãe começou a seguir sem olhar, depois de um tempo. Escolheu sua música de abertura e suas músicas do dia. Todos os dias, os ouvintes ligavam, pois as músicas que se tocava eram internacionais de anos 60, 70 e 80. Eu atendia as ligações. O nome do programa era Tarde Especial com sobrenome artístico Sueli de Camargo. Chegou a receber elogios de radialistas do ABC, um deles da Rádio AM ABC de São Bernardo. Foi dai que me apaixonei pelas músicas e hoje sei usar para repertórios, se precisar. Eu sempre quis falar no rádio, mas como eu era criança, eu não podia. Hoje realizo esse sonho, aqui, com uma equipe maravilhosa e através do curso, me descobri e me encontrei, a matéria de Gêneros Radiofônicos me proporcionou mais conhecimento sobre como é produzir um programa de rádio e com a matéria de  Roteiro e Produção para rádio, vi que os sons são de uma Importância muito grande, sou grata a Deus por tudo isso e sei que vou chegar lá.

ITALLO VIEIRA

Minha paixão pelo audiovisual começou desde pequeno com meus 10 anos em que eu fazia vídeos amadores no celular e ficava baixando programas de edição para colocar efeitos especiais, assistia filmes e ficava fascinado com toda aquela mágica do cinema, chorava todas as vezes,de tamanha euforia, com os filmes da marvel de querer estar participando daquilo.
A Internet foi meu suporte para eu pesquisar tudo que queria saber de como fazer aquilo, minha relação com o youtube era quase de um casal de namorados. Os conteúdos que o youtube trazia até mim me fazia ter emoções de realização em poder encontrar o que quero, cada conteúdo era como se desperta-se uma curiosidade diferente em mim.
Olhava os programas de tv, filmes, séries, canais de youtube, e desejava estar participando daquilo, poder estar atrás das câmeras produzindo conteúdos e fazer as pessoas sentirem entusiasmo ao receberem aquele conteúdo.
Assim como a Teoria Hipodérmica, levar mensagens aos receptores e introduzi-las com facilidade para obter respostas e estímulos deles, como se fosse agulha hipodérmica, que perfura a pele humana sem dificuldade.

portfólio

CAIQUE LIMA

Eu sonho em ser, um apresentador de televisão, como Silvio Santos e o Danilo Gentili. esse é meu sonho com a televisão, faz tempo por isso eu quero que todos sejam feliz.
é uma pessoa, quem faz esse trabalho na emissora ele e muito top por colocar um sorriso em cada boca, com olhar de amor e simpatia do apresentador de televisão, tudo ira para frente com uma boa equipe de produção de audiovisual.
por isso essa e minha palavra a todos seja feliz muito feliz com que voce escolher hoje, isso ira ser um espelho do amanhã.

© 2019 por Produtora Take1 Produções Audiovisuais. Todos os direitos reservados.